Vivendo do Ócio

Prisioneiro do Futuro

Vivendo do Ócio

O meu passado me condena
Sou prisionero do futuro, na prisão do amanhã
Sei que mudei, eu não segui a lei
Eu me perdi nas linhas da ignorância

Eu me perdi nas linhas
Eu me perdi nas linhas

Galho seco quebra quando o vento passa
E os que ficam lá são fexíveis
não eu pra carregar eu me deixei levar
Eu vivia correndo numa corda bamba

Numa corda bamba
Numa corda bamba

o meu silêncio faz eu recordar de cada erro
E agora eu reconheço
E a cada passo a frente eu vejo
Que eu tive que pagar um preço
De ser mais um prisioneiro

Eu tive que pagar o preço
De ser mais um prisioneiro
Eu tive que pagar o preço

Gato preto nunca foi de me atrasar
Tive que ir ao fundo como uma pedra em alto mar
joguei e me amarrei só sei que afundei
Eu me perdi nas águas com minhas lembranças

Eu me perdi nas águas
Eu me perdi nas águas

o meu siêncio faz de cada erro
E agora eu reconheço
E a cada passo a frente eu vejo
Que eu tive que pagar o preço
De ser mais um prisioneiro

Eu tive que pagar o preço
De ser mais um prisioneiro
Eu tive que pagar o preço


publicidade