Mostra online de performances traz 16 apresentações de artistas rio-pretenses

, 14h03, por Nicole Demartini

A 2ª WinMostra – Winchester Performance Mostra começa hoje! Realizada pelo Agrupamento Núcleo 2 através do Prêmio Nelson Seixas 2020 (estimulado pela Secretaria Municipal de Cultura), a mostra de performances online vai até sábado (31), com teatro, dança, audiovisual, literatura, stand up, artes visuais, instalação, música, culinária e projeção multimídia. O tema do evento é "Arquivo emocional de uma cidade imaginada".

Ao todo, são 16 trabalhos de artistas de São José do Rio Preto (SP), sendo 12 deles inéditos. Todas as atrações são de graça e acontecerão no canal do youtube do Nucleo 2, no Facebook, no Tiktok e no Zoom.

Confira a programação completa:

Créditos: Divulgação

DIA 27 DE OUTUBRO, TERÇA-FEIRA

DOUBLE JORNEY (Bad’Lua) - 15h

A performance perpassa pela contação de história de um casal de Danças Urbanas, onde eles resolvem unificar suas jornadas de danças através de músicas, vídeos, fotos, recortes de jornal que construíram ao longo de três décadas.

  • Proponente: Emerson Bad´s Crew
  • Projeto e idealização: Emerson Bastos Sereni
  • Dançarinos: Lua - Bruna Luane Dadalte Bonito e Emerson Bastos Sereni.
  • Livre. 30 minutos.

E_MO_ÇÃO (Sávio D’Agostino) - 17h

Experiência sensorial com músicos e performers a partir de uma emoção informada pelo diretor do projeto e uma fotografia. A experiência envolve imagem, música, dança e vídeo para gerar uma emoção ao público, onde os artistas envolvidos, sem ter contato uns com os outros, expressam suas criações que somadas se tornam a obra final, com o intuito de transmitir o mesma emoção. A ideia é que parta de um mesmo estímulo, a fotografia e uma emoção específica, para todos os artistas envolvidos, e com isso crie sua arte. O experimento deseja verificar o quanto a mesma emoção específica consegue ser transmitida ao público, mesmo representada por artistas diversos.

  • Guitarra: Lucas Rocha
  • Bateria: Andressa Maria
  • Piano: Paula Nogueira
  • Performers: Andrea Capelli e Christina Martins
  • Captação de imagens e edição de vídeo: Marcelo Nogueira
  • Produção, captação de som e edição de áudio: Sávio D’Agostino
  • Livre. 60 minutos.

PRETA COR (Christina Martins) - 20h

Agora. O fatídico agora. Eu estou finalmente comigo, agora. Mas para tanto, estive longe de mim, estive com outros e para os outros. E agora eu vejo isso claro, biologicamente, em minha árvore genealógica e em meu DNA. Está impresso para que eu nunca me esqueça: eu estive perdida de mim. Sou o que me fiz, mas também sou o que me fizeram. A partir de memórias pessoais e inventadas jogadas no lixo, a ligação intrínseca do indivíduo com suas origens, é trazida ao foco por meio da poesia, da palavra, dança e ação. São as memórias da menina se descobrindo, da mulher que vos fala e de um povo, uma cultura, mil outras histórias.

  • Atriz e idealizadora do projeto: Christina Martins
  • Produção Geral e Elaboração de Projeto: Deivison Miranda
  • Produção Executiva e Revisão de Projeto: Suria Amanda
  • Operação de streaming: Deivison Miranda
  • Operação técnica de som e luz: Suria Amanda
  • Concepção de cenário, figurino, som e iluminação: Christina Martins e equipe de produção criativa
  • Apoio local e técnico: Cia. Cênica
  • Livre. 40 minutos.

DIA 28 DE OUTUBRO, QUARTA-FEIRA

NAQUELA MESA (Daniel Santo Forte) - 12h

Para discutir e repensar a construção das masculinidades, um pai cozinha pratos inéditos para seu filho. As receitas são escolhidas de acordo com suas histórias como documento afetivo das relações dos convidados com os homens de sua ancestralidade. Durante o processo de preparo da refeição, conta a história de cada prato e das pessoas que ofereceram este presente.

  • Performer: Dániel Santo Forte e convidados
  • Programa Performativo: Tauane Santo Forte
  • Livre. 150 minutos

IN FLUENTE (Elissa Pomponio) - 16h

Exercício de materialização de uma memória imaterial a partir de impulsos sonoros de uma cidade imaginada.

  • Performer: Elissa Pomponio
  • Desenvolvimento técnico: Gustavo Arão
  • Vídeografista: Vinicius Dall'Acqua
  • Livre. 120 minutos.

RELER (Homero Ferreira) - 20h

No lugar de religar, o reler.

  • Performer: Homero Ferreira
  • Apoio Técnico: Tauã Teixeira
  • Livre. 180 minutos.

DIA 29 DE OUTUBRO, QUINTA-FEIRA

BANQUETE ANTROPÓFAGO (Coletivo Barteliê) - 17h

A preparação de um inusitado banquete, preparado sobre o corpo de um performer, propõe reflexões sobre consumo, alimentação e meio ambiente.

  • Performer: Harlen Félix
  • Cozinheiro: Ronaldo Vilerá
  • Montagem: Carol Escabin
  • Livre. 60 minutos.

QUERIDOS SOBREVIVENTES DA GRANDE CATÁSTROFE (Cia. do Santo Forte) - 20h

Um coletivo de artistas tenta sobreviver artisticamente em meio a uma pandemia. Em busca de manterem-se vivos, trocam afetos e provocações a distância mediados pela tecnologia para suprir não-presença de seus companheiros. Conduzidos por um maestro que rege as ações, as atrizes e atores investigam o que sobrou do corpo, do espaço e da fé.

  • Performers: Fabiana Abranches, Reni Trombi, Tauane Santo Forte, Aguinaldo Moreira de Souza, Dániel Santo Forte e Harlen Félix.
  • Livre. 60 minutos.

CÁRCERE POR SOPHIA (Prophanys) - 23h

"Viver é mais difícil que me disseram, não viver infinitamente mais doloroso". Sophia, uma mulher trans nos conta sua trajetória de criança até a vida adulta, seus desejos, alegrias e tristezas.

  • Ator/escritor: Michael Kennedy Oliveira Diniz
  • Sonoplastia: Luis Felipe Maia Costa
  • Iluminação e transmissão: Ana Carolina Morais
  • Livre. 35 minutos.

DIA 30 DE OUTUBRO, SEXTA-FEIRA

COMIDA ESTRANHA (Orniz) - 11h

O ato de comer nos acompanha desde quando ainda éramos primatas. No entanto, nossa alimentação nem sempre foi a mesma. As facilidades do mundo moderno trouxeram consigo a monotonia alimentar, nos acostumamos com o que está pronto e enlatado, não nos importamos com a procedência dos alimentos e, de monocultura em monocultura, continuamos sendo colônia do velho mundo. Comida estranha é uma performance culinária gastro-revolucionária, mostrando que o comer também é um ato político e estético.

  • Artista/Performer: Wagner Orniz
  • Produção: Gabriela Andrade
  • Livre. 30 minutos
  • Apresentação via TikTok

NA CAMA SEM MADONNA (Murilo Gussi) - 19h

O ator Murilo Gussi se experimenta na linguagem do stand up, abre as portas de seu quarto e em sua cama relata com humor acontecimentos relacionados à sua homossexualidade, passando por episódios de preconceito e auto aceitação, além de compartilhar através de números musicais suas experiências como drag queen e a influência de Madonna ao longo de sua trajetória.

  • Criação e interpretação - Murilo Gussi
  • Livre. 45 minutos.

ARQUITETURA SANITÁRIA (Companhia Imaginária e Cia. Os Cogitadores) - 21h

Convidados a refletir a partir de um cômodo da casa, a obra apresenta dez personagens em uma reunião do Zoom, cada um falando a partir de seu próprio banheiro. Suas falas os situam no presente, no momento em que uma pandemia se alastra por nosso país e por diversas partes do mundo. O banheiro se transforma em múltiplas metáforas políticas, sociais, sexuais, afetivas. No segundo momento da peça, o autor se apresenta como um sujeito deslocado temporalmente, alguém que está no futuro. Como é esse futuro pós-apocalíptico, qual a arquitetura dele? A apresentação, pensada para ser realizada através da plataforma Zoom, traz ao público a proposta de que participem da experiência de dentro de seus banheiros.

  • Texto e Direção: Tauã Teixeira
  • Elenco: Alison Bernardes, Anna Raquel Apolinario, Christina Martins, Fabiana Pezzoti, Inajara Fabiana, Geyson Luiz, Marcelo de Souza, Matheus Leonel, Ruddã, Vanessa Cornelio e Tauã Teixeira
  • Provocação Cênica: Homero Ferreira
  • Produção: Alison Bernardes e Matheus Leonel
  • Livre. 60 minutos.
  • Apresentação via Zoom

HISTÓRIA DA MENTIRA (Companhia Imaginária) - 23h59

Parresia, do grego parrhêsia, significa “coragem de dizer a verdade”, “falar livremente”, “dizer tudo” - ainda que, ao dizer tudo, você arrisque também perder alguma coisa. Talvez você perca tudo. Há um risco na verdade. Essa peça performativa é um livre ensaio sobre a minha própria história com a mentira - sua origem, sua cronologia, seu desenvolvimento; e, também, uma analogia dessa história pessoal com o que temos de registros históricos das grandes mentiras e farsas da humanidade.

  • Concepção, dramaturgia e performance de Tauã Teixeira
  • Iluminação de Homero Ferreira
  • Provocação cênica de Maria Amélia Farah
  • Livre. 50 minutos.
  • Apresentação via Zoom

DIA 31 DE OUTUBRO (SÁBADO)

A COLHEITA DO PEIXE (Terezinha Bilia) - 16h

Um sonho: um campo com muitas árvores frutíferas. Uma delas se destaca porque ao invés de frutos produzia peixes. Era uma reminiscência de infância, afinal, o vestido branco com bolinhas vermelhas da menina era um reflexo da própria artista. Como não enveredar por esses caminhos da arte após um sonho destes? “Bora” mergulhar nas telas de minha vida!

  • Concepção e atuação: Terezinha Bilia
  • Câmera: Marcelo Matos
  • Fotografia: Luciane Bilia
  • Inspiração artística: Dona Ida, Lucas Piton, Helena Piton, Mariah Bilia
  • Edição: Maurício Matos
  • Livre. 30 minutos.

NÃO HÁ NADA AQUI (Loretta Pelosi) - 19h

Não há nada aqui traz memórias roubadas, infância inventada, cenas perdidas em cartas não mandadas, um agora que já foi sem nunca existir.

  • Concepção e performance: Loretta Pelosi
  • Direção Compartilhada: Vinícius Francês e Loretta Pelosi
  • Pesquisa de movimento: Loretta Pelosi e Vinícius Francês
  • Filmagem: Eduardo Constantini
  • Iluminação: Venâncio Oliveira
  • Auxiliar de cena: Maria Inês Pelosi
  • Livre. 30 minutos.

PIPAPIÁPAI ou POR UM “FÍO” (GPT Sala 50) - 21h 

O fio conduz a vida. Passa pelo umbilical até o fio representativo da morte num som uníssono de uma nota aguda. Entre eles outros fios conduzem nossa trajetória. Como o fio de uma pipa que o vento leva a caminhos caóticos, vamos seguindo sem destino definido por fios que nos surpreendem a cada momento. Um filho (fío) que chega aos 50 anos. Nos resta uma cantiga de ninar e seguir essa linha neste mundo também caótico. A esperança é que venha alguém que encontre seu fio na história. Nesse contexto criamos a cidade capital cuja maquete se encaixa no desenho de uma pipa.

  • Concepção e atuação: Marcelo Matos
  • Atriz convidada: Mariah Bilia Matos
  • Fotografia: Luciane Bilia
  • Produção: Terezinha Bilia
  • Consultoria Arquitetônica: Oswaldo Angelucci
  • Câmera, vídeo e montagem: Marcelo Araujo
  • Livre. 30 minutos. 

Mais informações no site oficial e na página do Facebook Núcleo 2.

Fonte/contato:                     

  • Assessoria de Imprensa
  • Graziela Delalibera – MTb: 099/DRT-TO
  • (17) 99114-1343
  • grazidalla@gmail.com