Eduardo Costa

Presente de Aniversário (part. Alexandre Pires)

Eduardo Costa

Tocou a campainha, tava ali na minha frente
Parecia uma pintura, um anjinho inocente
Disse: Bom dia, deu um nó na minha mente
Hoje é seu aniversário e me mandaram de presente

Quando as horas você pode ser meu o dono
Beijar o meu beijo, e dormir no meu sono
Matar os seus desejos e realizar todas as suas vontades

Não me pergunte qual é meu nome, o meu endereço,
nem meu telefone
Esquença de tudo e me chame apenas de felicidade

Não teve jeito de mandar a vizinha ir embora
Agarrei a nega e pus a molecada pra fora

Não teve jeito de mandar a vizinha ir embora
Agarrei a nega e pus a molecada pra fora

Tocou a campainha, tava ali na minha frente
Parecia uma pintura, um anjinho inocente
Disse: Bom dia, deu um nó na minha mente
Hoje é seu aniversário e me mandaram de presente

Quando as horas você pode ser meu o dono
Beijar o meu beijo, e dormir no meu sono
Matar o seu desejos e realizar todas as suas vontades

Não me pergunte qual é meu nome, o meu endereço,
nem meu telefone
Esquença de tudo e me chame apenas de felicidade

Não teve jeito de mandar a vizinha ir embora
Agarrei a nega e pus a molecada pra fora

Não teve jeito de mandar a vizinha ir embora
Agarrei a nega e pus a molecada pra fora

Não teve jeito de mandar a vizinha ir embora
Agarrei a nega e pus a molecada pra fora

Não teve jeito de mandar a vizinha ir embora
Agarrei a nega e pus a molecada pra fora
Agarrei a nega e pus a molecada pra fora
Agarrei a nega e pus
E aí, moçada: Vamos sair vazado todo mundo aí,
vâmo sair vazado todo mundo aí, chegou a dona da casa mermão! (Ixeeee)
Sai quebrando aí malandro, sai quebrando aí.
Vambora! (Certo!)
publicidade