Zeca Pagodinho

Zeca Pagodinho

Samba, Pagode

Quando Quiseres

Zeca Pagodinho

Quando você se arrepender
E quiser que o nosso amor
Volte a viver, o meu coração
Não lhe aceitará
você de tristeza vai chorar

Tenho a certeza que amor
Igual ao meu, você não
vai encontrar

Eu que queria tanto, tanto
Construir, um lar feliz
Para nós dois e você não quis

La lai ai, la lai ai...

Não faz assim que me faz lembrar
Meu tamborim, todo meu penar
Regenerado eu estou hoje em dia
Sou eu que não quero a orgia (2x)

De-me um sorriso ô linda flor
Para me consolar
Nós brigamos, foi só ciúmes
Não há razão para me deixar
Volta de novo ao nosso lar
Porque eu já sei amar
Volta de novo ao nosso lar
Porque eu já sei amar

Tu que tinhas vida de fidalga
Hoje vive a pão e água
Coisa que me comoveu
Tu mudaste tanto, tanto, tanto
Que até provoca pranto
Em um homem como eu (2x)

Ao ver sua desdita
Feriu-me o coração
Quem passava a pão e vinho
Hoje vive a água e pão
Foi tão pesado o castigo
Que o destino te deu
Que até provoca pranto
Em um homem como eu
+-
Tu que tinhas vida de fidalga
Hoje vive a pão e água
Coisa que me comoveu
Tu mudaste tanto, tanto, tanto
Que até provoca pranto
Em um homem como eu

Tu mudaste tanto, tanto, tanto
Que até provoca pranto
Em um homem como eu. (2x)


Um dos Poetas do Samba
Album: Um dos Poetas do Samba
Gravadora: RCA Records Label
Ano: 2008
Faixa: 6
  • publicidade