Temporal

Zé Ramalho

Quem viu a terra gemer
Nos dentes brancos do mar
E a laje fria da espuma
A sete palmos do olhar
Pisou as curvas do mapa
E os raios do sol nascente
Tocou as cordas da harpa
De aço incandescente

Eu percorri todo o sonho
No meio da madrugada
E vi plantações de balas
Sementes da espingarda
Eu mato, matas e mato
Quem fala não mata não
Quem cala consente a fala
E os gritos do capitão

Quem viu os cachorros negros
Latindo para o luar
E o vôo vão dos morcegos
Gritando mudos no ar
Conhece a força guardada
Na mola dos temporais
Escurecendo as estrelas
Nos ombros dos generais

A mais cruel armadilha
Encruzilhada dos fins
E os alicerces das ilhas
Roídos pelos cupins
A fina flor da ferida
Doendo até no facão
E o mapa da minha vida
Na palma da minha mão

Quem viu o braço da sombra
Das folhas de uma palmeira
Pousar em carícia longa
Nos ombros da terra inteira
Ouviu da boca da noite
Feroz silêncio mortal
E viu o bobo da corte
Dançando no funeral

A mais cruel armadilha
Encruzilhada dos fins
E os alicerces das ilhas
Roídos pelos cupins
A fina flor da ferida
Doendo até no facão
E o mapa da minha vida
Na palma da minha mão

Envie essa música para um amigo

Album: Nação Nordestina (2006)
Gravadora:
Ano: 2006
Faixa: 5
  • publicidade
  • Top Músicas
  • 01 Entre A Serpente E A Estrela
  • 02 Chão De Giz
  • 03 Avohai
  • 04 Sinônimos (Ao Vivo)
  • 05 A Terceira Lâmina
  • 06 Asa Branca
  • 07 Garoto de Aluguel
  • 08 Chão de Giz (part. Elba Ramalho)
  • 09 Cidades e Lendas
  • 10 Eternas Ondas