Olhares Sem Destino

Zé Ramalho

Observo olhares sem destino
Perfurando ovários estrelares
Entretanto vacilam se buscares
Tua régua de olho cristalino
No cabelo só passa o pente fino
Na retina só vejo se olhar
No gameta desprendo meu colar
Na costela da perna de um adão
Nos olhares das penas de um pavão
Hipnóticos ao enfeitiçar
A revolta de toda a natureza
Mediante a matança de seus bichos
Através dos grudentos carrapichos
Toda praga que vem é com certeza
O silêncio que paira na pobreza
É capaz desse mundo acordar
Para um louco que vive a meditar
No dragão que matou a mocidade
Um herói que morreu pela metade
Se viveu não tem forças pra contar
Mas a vida me leva pela noite
Até o vento se cala a cotovia
Uma ponte até o outro dia
Um cangaço que pede um açoite
Que ninguém me convide que pernoite
Nos confins das crateras poluídas
Tenho várias couraças destemidas
E brasões de metais incandescentes
Tenho rio, riachos e correntes
Tenho chamas e são embevecidas

Envie essa música para um amigo

Album: Zé Ramalho (2003)
Gravadora: Sony Music
Ano: 2003
Faixa: 94
  • publicidade
  • Top Músicas
  • 01 Entre A Serpente E A Estrela
  • 02 Chão De Giz
  • 03 Garoto de Aluguel
  • 04 Avohai
  • 05 Filhos De Ícaro
  • 06 Fissura
  • 07 Um Índio
  • 08 Forrobodó
  • 09 Frevoador (Hurricane)
  • 10 Falido Transatlântico