Tapete da Sala

Vanusa

Sentada aqui no tapete da sala
Olho pela janela e vejo a lua clara
Sentada aqui no tapete da sala
Olho pela janela e vejo a lua clara

Como se olhasse
a minha própria solidão (solidão!)
Como se olhasse
a minha própria solidão

Há muito tempo que eu não tenho
dezessete anos
Que eu não me apaixono feito louca
Aquelas loucuras de rasgar a roupa
E achar que vinte quatro horas
junto é pouco

E tento acalmar a minha emoção
Faz tempo que eu não rego o meu coração
Com uma cachoeira de beijos e paixão
E me pego aqui pensando
em milhares de janelas
Prédios de pessoas solitárias e belas
E que dentro de uma delas
Talvez minha metade
Espere como eu
com a mesma ansiedade

Por isso lua, não faça alarde
Meu peito arde de vontade
Por isso lua, não faça alarde
Meu peito arde de vontade

Por isso lua, não faça alarde
Meu peito arde de vontade
Por isso lua, não faça alarde
Meu peito arde de vontade

E tento acalmar a minha emoção
Faz tempo que eu não rego o meu coração
Com uma cachoeira de beijos e paixão
E me pego aqui pensando
em milhares de janelas
Prédios de pessoas solitárias e belas
E que dentro de uma delas
Talvez minha metade
Espere como eu
com a mesma ansiedade

Por isso lua, não faça alarde
Meu peito arde de vontade
Por isso lua, não faça alarde
Meu peito arde de vontade

Por isso lua, não faça alarde
Meu peito arde de vontade
Por isso lua, não faça alarde
Meu peito arde de vontade!


capa do álbum Vanusa Santos Flores de Vanusa
Album: Vanusa Santos Flores
Gravadora: SARAVÁ DISCOS
Ano: 2015
Faixa: 7