foto

Os Can Cans Do Desafio

Teixeirinha

__ Agora vamos ouvir os can cans do desafio!

Eu saí de Passo Fundo
Com fama de trovador
Nos lugar aonde eu chego,
Procuro competidor

Desafio quem quiser,
Se me aparecer mulher
Rogo perfume na flor

Sou moça da parte fraca
Mas verso bonito eu mato
Sou Fronteira e Tabagense
E na trova eu desacato

Conheço um bicho pernudo
Mas por ser muito papudo
Eu deixei de criar pato

Tu deixou de criar pato
Não perguntei gauchinha
Tô de (?) embargado
E mulher tô de bainha
Deixei de criar repolho
Só por causa do piolho
Deixei de criar galinha

Deixou de criar galinha
Tu merecia uma vaia
Depois sair apertado
Na boca de uma lacraia
O povo hoje vai ver
Eu daqui, botar correr
Um frango de minissaia

Um frando de minissaia
Canta bonito e seduz
Eu fui lá na tua terra
E fiz o sinal da cruz
Lá as galinha dão leite
As vaca toma sorvete
E põe ovo de avestruz

E põe ovo de avestruz
Na minha terra tu foi
E o povo da tua terra
Espero que me perdoe
Lá tu berra que nem paca
Mas cabra é ponta de faca
(?) boi

(?) boi
Espuleta é dinamite
E folha de mamoneiro
Na tua terra é radite
(?) interessante
Cada tromba de elefante
Que faz perder o apetite

Que faz perder o apetite
Não ofendas mais ninguém
Pois em matéria de trova
Tu já me conhece bem
Papagaio é lobisomem
E tu é daqueles homem
Que nem cirola não tem

Que nem cirola não tem
Isto até é um desaforo
Eu sempre andei previnido
E a minha faca é um estouro
Juro por uma cebola
Se eu não tivesse ceroula
Eu fazia do teu couro

Tu fazia do meu couro
São Paulo que bem te quero
Lá na Praça da República
Eu falo pra quem quiser
O Teixeirinha é peitudo
Namorou um cabeludo
Pensando que era mulher

Pensando que era mulher
Fiasco maior tu fez
Lá em São Paulo
Um mineiro comprou
Um bonde uma vez
E a Mary com mais dinheiro
Comprou o bonde do mineiro
Dia primeiro do mês

Dia primeiro do mês
Lá na terra do café
O teu fiasco é maior
Que me fez perder a fé
Encontrou com um vigarista
Pagou 3 milhão à vista
Lá pela Praça da Sé

Lá pela Praça de Sé
Tem outros mais palhação
Eu tornbei vender à vista
E peguei 7 milhão
Lá pela Praça da Sé
Eu vendi pro seu Mané
O trouxa do teu irmão

O trouxa do meu irmão
Pobre coitado é bobó
Eu também vendi meu bonde
Pra uma velha carijó
Eu vou te dizer aonde
E pra quem vendi meu bonde
Foi pra trouxa da tua vó

Não podemos destruir
A nossa grande amizade
Teu irmão e minha vó
Que façam uma sociedade
Aproveitando o ensejo
Vâmo se associar num beijo
Isto é bom barbaridade
Aproveitando o ensejo
Vâmo se associar num beijo (Ahhh)
Isto é bom barbaridade

__ Olha aqui, vâmo batê palma pros dois, porque o desafio foi parelho!

Êêêêêêêêêê
publicidade