foto

Nos Tempos de Menino

Santanna, O Cantador

Era o caminho da roça
Pureza de Maria
A folha verde no mato
A chuva quando caía
Passarinho, rio e regato
E a natureza sorria

Era o beijo que eu cultivava
Vida que eu bem queria
Do jeito que eu sonhava
Realmente acontecia
Queira um fruto, eu plantava
Vingava o fruto, eu comia

Da morte eu não tinha medo
A morte eu não conhecia
Não tinha nenhum segredo
Andava o mato sem guia
Nunca era tarde nem cedo
Meia-noite ou meio-dia

Fui menino mais que sete
Ou dezessete légua e meia
Menino fui cassetete
Menino fogo nas veias
Bola de gude, pivete
Menino bola de meia

Fui menino meia-noite
Menino fui meio-dia
Menino vento de açoite
Fui o ventre da folia
Menino trovão da noite
Fui chuva, fui invernia

Fui menino pistoleiro
Menino caramanchão
Menino fui sapateiro
Menino carro de mão
Menino fui cangaceiro
Menino fui lampião

Menino, também menino fui
E o tempo deu-me a alma, sua
Deu-me batentes de bares
Deu-me a vida nua e crua
Becos, esquinas, meus lares
Moleque ponta de rua.
publicidade