Cavalos Calados

Raul Seixas

O termômetro registrou,
a enfermeira confirmou,
a minha morte aparente, a minha sorte, minha camisa rasgada no
peito, escorrendo óleo diesel.
O relógio alarmou,
a TV anunciou,
a minha morte, preta e branca, a sua sorte, e o seu durex já não
cola, já não basta o tapa-olho, eu tenho mais um por entre as pernas
cabeludas, olhos e antenas sobresalentes.
O meu pulso não pulsou,
o aparelho aceitou,
a minha morte aparente, a sua sorte, minha garganta sem voz.
acordo semi-lúcido,
entre a morte e a morte,
relembrando onde perdi a minha língua atrevida
pelas mortes,
pelas vidas,
pelas avenidas,
pelas Ave Marias cantadas em coro no meu violão.
Pelas ruas sem chão!
Meu corpo tem dois mil e tantos cavalos calados...


Envie essa música para um amigo

Album: Preferência Nacional (1998)
Gravadora:
Ano: 1998
Faixa: 5
  • publicidade
  • Top Músicas
  • 01 Ouro do Tolo
  • 02 Eu Nasci Há 10 Mil Anos Atrás
  • 03 Tente Outra Vez
  • 04 Metamorfose Ambulante
  • 05 O Trem das Sete
  • 06 Gita
  • 07 Maluco Beleza
  • 08 Metrô 743
  • 09 Medo Da Chuva
  • 10 Os Números