Angela

Raul Seixas

Mesmo que me aperte essa sensação sem nome
Ou que me faça engolir a seco a minha sede é de
Ângela, Ângela, Ângela

Quantas vezes eu me quis negar
Mas o meu rio só corria em direção ao mar, em direção ao mar de
Ângela, Ângela, Ângela

Rouba do meu leite agora
O gosto da minha vitória
Do meu amor, do meu amor por mim

Eu que me achava o rei do fogo e dos trovões
Eu assisti meu trono desabar sedendo as tentações, as tentações de
Ângela, Ângela, Ângela

Minha espada erguida para a guerra com toda fúria que ela encerra,
No entanto, no entanto, é tão doce, tão doce para
Ângela, Ângela, Ângela


Envie essa música para um amigo

Album: Abre-te Sésamo (1980)
Gravadora:
Ano: 1980
Faixa: 4
  • publicidade