foto

Desebafo caboclo

Paroara do Acordeon

Ah Dr. cuma me dói
Arrescordá meu passado
Meu sertão de chão rachado
Pela seca arrinitente
Fica tudo diferente
No tempo da sequidão
É fôia seca no chão
Casa veia abandonada
Vaca morrendo atolada
Na lama do cacimbão

Num se avista nem anum
Dento do bosque esquesito,
Cabra, carnero, cabrito,
Morrendo de um em um,
Menino magro doente,
E a mãe impaciente
Sem saber o que faze,
E o pobre catingueiro,
Nos assêro do terrero,
Pedindo a deus pra chuve.

Menina quage criança
Com o peito cheio de magua,
Vai ver se arruma água
Cum trez légua de distança
A muié magra coitada,
Guarda as panela imborcada,
Num girau véi da cunzinha,
Os mulequim com borná,
Correno atraz dum preá
Mode comer com farinha.

O sertanejo cabôco
Se embrenha nos tabulêro,
Intrupicano nos toco,
Pra ver se sarva um carnêro,
Que ta morreno de fome
Pois faz um mês que num come
Nem mandacaru tostado;
Só se avista flagelo,
E a morte com seu cutelo,
Matando gente adoidado.

Domingo dia de fera
É o maior sofrimento
O pobre pega uma cela,
Põe no lombo do jumento,
E sai caminhando à trote,
Passano riacho, serrote,
Tristonho, desanimado,
Vai falar com o budeguero
Prá ver se sem ter dinheiro
Faz outra feira fiado.

Em casa a criança chora
Chega faz éco na serra
Gato mia, cabra berra,
A situação piora!!
Na rua o pobre se vinga
Enchendo a cara de pinga
Esquece o que ta passando,,
E a mãe em casa coitada
Consolano a fiarada
O dia inteiro esperano.

Quando ela perde a fé
Vai na casa da visinha
Pede um pouquim da farinha
Uma cuié de café
Cuma boa mãe que é!!,
Acomoda a fiarada
Sem durmir aguniada,
Vai pra porta ver a lua
Chega o marido da rua
Bêbado, com fome e sem nada.

Toda caatinga se cala
Parece qui nem tem gente
E a cauã impaciente
Cantano fora de hora
As porta das casa veia
O vento abrino e fechano
Num tem mais ninguém morano
Qui a seca boto pá fora.

O gado mago morreno
Vítima da seca assassina
Nem um galo de campina
Canta pá nóis escutar
Só a coruja agourenta
Dá uns gemido na gruta
Toda vez que a gente escuta
Dà vontade de chorá.

O ipê rôxo num fulora
Tamburíl nem catingueira
Nas moita de quixabeira
Num tem mais anum mara
Donde os numbú de pé roxo
Cantava de tardesinha
E os bando de indurinha
Vinha se agazaiá.

A lua nasce branquinha
Iguá a casca de ôvo
Parece zombá do povo
Cada vez mais atraente
Os cadelim vira-lata
Detrás da porta ganino
Parece qui ta sentindo
A dor que seu dono sente.

E os Dr. da política??
Nem óia pro cariri
Só fala de c.p.i.
Nesses ta de mensalão,
Chega na televisão
Mentindo de cara liza
Parece que nem precisa
Dos matutim do sertão.

Num ver mãe sentindo dor
Botar força pra parir,
E o fí sem quer sair
Pro que num tem mais sustança
Na agonia da fome
Nasce o fí de quarquer jeito
E a mãe sem leite no peito
Pra sustentar a criança.

É dr, vc. num sabe!!
Mas é bastante doido
Ver um animá caído
Passando a língua no chão
Quem já serviu de transporte
E atendia pelo nome
Dando gemido de fome
Sem um talo de ração.

Será que cum tanta briga
Tanta nuticia de guerra
Deus num se esqueceu da terra
E anbandono o sertão
Se eu erra peço perdão
Má eu acho que tá na hora
De alguém que tá lá por fora
Vim oiá mais pru sertão

Será que Deus fico véio
E num sabe mais o que faiz
É que eu já pedi dimais
E ele não me atendeu
Já rezeri já fiz premessa
Já li a bribla todinha
Morde vê se a chuva vinha
Inté aqui num chuveu

Jesus Cristo me perdoe
Más é que eu fico zangado
Quando óio o meu roçado
E vejo tudo se acabá
Vendo as panela vazia
Uma mágoa me consome
Vê meus fi morre na fome
E eu não tê nada pra dá

Oiando a mata cinzenta
O campo todo pelado
O sol quente avermeiado
Dá vuntade de morre
De hoje em diante
Eu só rezo
E só faço outra oração
Quando lá no meu sertão
Volta de novo a chuvê
publicidade