Hóstia

O Rappa

Os que sobravam encostado no balcão
Ali permaneciam nos trabalhos em meio ao ar parado
Não se ouve tiros, não há estardalhaço
Bicho-gente, bicho-grilo, quero que se dane!

Olhos de injeção
Gatos-humanos espreitam
Choram mimados meu rango

Não dividiria com qualquer animal
Meu prato de domingo, a carne assada é o principal
Mesmo um mendigo elegante da rua
Prato bonito ou feio, minha cabana, minha angústia

Ah, meu escudo
Meu escudo é minha hóstia
Ah, meu escudo
Meu escudo é minha hóstia

Sentia proteção infantil
Mas permanecia assustado
Acuado, em situação-hiena

Não sou carne barata
Varejo imaginado
Pedaço do atacado
Que pena!

publicidade