Entrevista com o DJ e produtor Komka!

, 12h09, por Amanda Ramalho
Pedro Lacerda

O bate-papo de hoje é com o DJ e produtor brasiliense João Komka!

O DJ lançou no mês passado o seu mais recente trabalho, o EP "Disconnected Rails", pela D.O.C. Records. 

Quer saber mais sobre esse projeto que está incrível? Então dá só uma olhada na entrevista logo abaixo:

KBOING – O que te fez entrar para o mundo da música eletrônica?
KOMKA:
Resumidamente, a sonoridade eletrônica. Na época eu ouvia rock e quando comecei a perceber o som dos sintetizadores, aquilo me chamou muita atenção.

KBOING - Em janeiro você lançou o EP "Disconnected Rails" conte pra gente como foi a produção, escolha das músicas.
KOMKA:
Foi uma imersão, como tem sido ultimamente. Horas em estúdio, celular no silencioso e quando vejo, o dia amanheceu. Na faixa "Disconnected Rails" contei com a colaboração da Nina Mess, minha namorada, com quem tenho compartilhado todo meu processo criativo. Já a "Guardian Poets" tentei fazer uma faixa mais lenta, porém densa. É um EP com duas faixas bem distintas que retratam meu momento atual.

KBOING – Como tem sido a receptividade do brasileiro em relação a música eletrônica?
KOMKA:
A cena está crescendo. O público se renova constantemente e é muito legal ver gente nova aparecendo, seja fazendo música ou apenas curtindo. A música eletrônica é uma linguagem e é gratificante saber que as pessoas ouvem e admiram sua música. Eu lembro bem a sensação que tinha nas primeiras festas que ia, e a cada som que descobria. Imagino que muita gente deve passar pelo mesmo.

KBOING – Harmonia, melodia, estilo, arranjos, produção... em quem você se inspira para realizar as suas produções?
KOMKA:
São muitas influências... Músicas que ficam guardadas no subconsciente e quando percebo, estou fazendo algo parecido. É como cada artista se difere. Cada um tem sua fusão de estilos pessoal. Tenho ouvido Vitalic, Kraftwerk, Legião Urbana, WhoMadeWho, Gesaffelstein, Brodinski, Massive Attack... sons bem distintos, mas que me emocionam!

KBOING – Agora em fevereiro você lança "Bittersweet" pela I/U Music. Conta como está sendo essa produção... quais referências usadas, a participação de Nina Mess.
KOMKA:
Mais uma com a Nina! Essa foi uma das primeiras que fizemos juntos, há alguns meses, e chegou a hora de lançar. É um som que já tocamos e costuma funcionar muito bem nas pistas. Tem uma pegada bem acid house, mas com um toque electro que não poderia faltar. Espero que o público goste do EP, que tem ainda a faixa "Slap Me".

KBOING – Quais os projetos para os próximos meses?
KOMKA:
Produzir, produzir e produzir. Espero fechar novos shows e levar o que tenho feito em estúdio para as pistas. Estou trabalhando em parceria com o Fadul, que é um amigo de longa data e que tem uma voz incrível, cheio de ideias legais. Vamos ver no que vai dar!

KBOING – Deixe um recado para a galera que curte o seu trabalho.
KOMKA:
Quem me acompanha, sabe que andei um tempo parado, mas estou de volta, galera! 2020 vai ser incrível e agradeço de coração pela audiência.