Entrevista: David Quinlan

, 16h41, por Da redação, por Amanda Ramalho

Bom humor e espontaneidade. Um ícone no comportamento dos músicos e dos jovens evangélicos brasileiros. Com um estilo musical cheio de fervor e fé, é através da adoração que David Quinlan, vê vidas restauradas e pessoas encontrando o caminho do Senhor. O cantor conquista todas as faixas etárias com seu ritmo, simpatia e musicalidade.

Ouvir David Quinlan 
Letras de David Quinlan 
Mensagem de David Quinlan  
Fotos do show
 

Irlandês, mas com o coração voltado para o Brasil, o líder de louvor do Ministério Paixão, Fogo e Glória (PFG), de Belo Horizonte (MG), conversou com o Kboing e contou um pouquinho sobre a sua história, a inserção da música gospel no mundo secular, os projetos para o futuro, entre outros assuntos. Confira o bate papo:

Kboing - Você é irlandês não é...Há quanto tempo está no Brasil e por que escolheu nosso país?
David Quinlan -
Sim, sou irlândes. Na realidade eu não escolhi, escolheram por mim. Quando eu vim pra cá eu tinha cinco anos. Sou filho de missionários, meus pais vieram da Inglaterra e da Irlanda para o Brasil, então não tive muita escolha...mas eu agradeço a Deus porque hoje pra mim, foi a melhor escolha. Minha esposa é brasileira, meus filhos são brasileiros, o ministério tem raízes no Brasil, eu amo essa nação de coração!

Kboing - Quais os maiores obstáculos que enfrentou no início da carreira?
David Quinlan -
O pessoal não acreditava muito no nosso estilo de música, as canções geralmente com três, quatro minutos, as nossas vinham com 14, 15 minutos cada uma...um estilo novo de adoração, espontâneo, de se entregar, não se limitar.
Minha esposa, tem um lado administrativo...eu canto, ela encanta, eu ministro e ela administra...então a gente tem uma parceria muito forte. Eu lembro que no início, ela saía com uma mochila com duas caixinhas de CDs e passava em algumas livrarias: “Poxa é um CD novo, uma coisa recente, vocês estão interessados?” Alguns diziam “Isso daí não vai dar em nada não. Deixa aí, daqui 30 dias você volta e eu garanto que o material vai estar aqui ainda!”. Essas eram as palavras de incentivos que a minha esposa ouvia toda a vez que ela deixava um material em alguma loja em Belo Horizonte. O interessante é que ela voltava pra pegar o material e tinha vendido tudo. Aí ao invés do pessoal dizer: “Poxa legal, vendeu, o pessoal gostou!”. Não, eles diziam: “Ah, são uns malucos que passaram por aqui e compraram, deixa mais, mas não vai dar em nada não!” (risos)
A galera não acreditava, achava loucura. As músicas não tinham os tamanhos ideais para serem tocadas nas rádios, a gente sempre ouvia críticas, mas foi só o começo.

Kboing - Qual música considera mais marcante? E o que ela significa na sua vida?
David Quinlan -
“Abraça-me”, sem sombra de dúvidas! Têm várias, mas “Abraça-me” seria hoje a mais marcante em função do histórico da canção. Ela foi me entregue, pelo Espírito Santo no dia em que a minha filha caçula nasceu. A Angel foi um nascimento que marcou a minha vida, minha história, meu ministério. Cheguei em casa, contei pros outros filhos que ela tinha nascido, estava tudo bem e senti quando o Espírito Santo invadiu o lugar onde eu estava, com a bíblia e o violão e foi me levando a trechos diferentes e a canção veio. Não só foi marcante pra minha vida, mas os testemunhos que já recebi em função dessa canção. Nossa, a música completa oito anos em outubro e até hoje os testemunhos marcam minha vida.

Kboing - O que acha da atual geração? Há um povo mais ansioso pela palavra de Deus ou a maioria vai só para preencher o vazio da alma?
David Quinlan -
Existem homens cheios de sede nessa nação, sem dúvida. Em função disto vemos pastores de todos os cantos: da América Latina, da Europa, dos EUA, da América do Norte, da Austrália. Os olhos das nações estão voltados pra cá e a gente se alegra com isso. Por quê? Porque existe algo diferente nessa nação.
Deus não faz acepção de pessoas e eu estou falando não como brasileiro e sim como estrangeiro, embora o coração seja brasileiro, existe algo aqui que mexe com o coração de pessoas e eu creio que é a fome e a sede por aquilo que é real, liberdade. Liberdade pra você ser jovem, pra pular, dançar, celebrar, se ajoelhar, chorar, levantar as mãos, ouvir, receber, ter suas vidas impactadas e isso realmente marca a vida das pessoas, marca gerações e o mundo está interessado. O mundo quer saber, o que a gente tem? O que temos é isso, fome e sede.

Kboing - Há uma mistura muito grande entre as pessoas. Mesmo quem não é evangélico ouve e até mesmo vai a shows gospel. É a isso que você associa...
David Quinlan -
Ah, sempre. Sempre faço um apelo onde me é permitido fazer. É impressionante de ver o número de pessoas que levantam as mãos pra aceitar Jesus, ou dos desviados que voltam para o caminho do Senhor.
Você vê que essa musicalidade, os ritmos, essa liberdade conquistada já há alguns anos, aqui na nação brasileira por diversos ministérios, têm atraído este público, tanto cristão, quanto o secular. Quando o secular vem, não podemos perder a oportunidade de apresentar o motivo da nossa alegria, dessa nossa celebração que é Jesus. E uma vez que fazemos isso, são várias pessoas que aceitam a Ele e isso é maravilhoso.

Kboing - Você ainda tem dificuldade de ver a música gospel entrar na mídia?
David Quinlan
- Temos sim, ainda há um preconceito muito grande. Você fala que a pessoa é crente, que o músico é evangélico e se levantam várias barreiras pra te impedir. Há um preconceito infundado de pessoas que não conhecem o nosso trabalho. Agora se você analisar pelo lado artístico, eu acho que o Brasil, tem sim nomes de pessoas que realmente tem uma produção musical, cantam pra caramba. Poxa, eu poderia citar tantos nomes que estão fazendo um trabalho maravilhoso que em minha opinião supera e muito, muitas bandas seculares que existem hoje. Os cantores evangélicos têm o lado da unção que despedaça o julgo, que pra nós cristãos é o mais importante, e têm também o lado artístico onde as pessoas estão arrebentando: Fernandinho, Nívea [Soares], André [Valadão], Kléber Lucas, são tantas pessoas maravilhosas.
É uma infelicidade o secular não aproveitar isso, embora, exista hoje gravadoras como a Sony Music, a Som Livre, que já entendeu o que está acontecendo no meio gospel e que o cristão é mais fiel aos produtos evangélicos, como não piratear tanto quanto o secular, porque piratear pirateiam também, né...né irmão!? (risos).

Kboing - Como você avalia movimentos da igreja católica como a renovação carismática?
David Quinlan -
Olha, só sei aquilo que falam comigo, mas eu só ouvi falar coisas boas até hoje. Existem diferenças entre o cristão e o católico, nós temos a nossa linha, eles têm a deles, o carismático parece ser mais parecido com a gente, mas realmente não tenho muita informação.
Eu acho legal, existem fome e sede nos corações deles também. Por muitos lugares aonde vamos, as pessoas chegam nos abraçando e tal e geralmente eu pergunto; “E ai, qual igreja que você é?!” e vira e mexe tem um que diz: “Sou da católica ou sou da carismática...sou desse, daquele, daquela outra”, então eu me alegro pela a fome e a sede que a gente vem descobrindo, até mesmo dentro da igreja católica com esse mover carismático.

Kboing - Você tem um projeto social, chamado “Compaixão”, quais são os objetivos deste trabalho?
David Quinlan -
Ajudar o próximo! A palavra de Deus no ensina que temos que amar a Ele sobre todas as coisas e o segundo maior mandamento é ao próximo como nós mesmos. Então sempre tivemos isso na nossa veia, queimando sabe...tanto eu quanto a minha esposa, os meus pais, a minha irmã, o marido dela, meu irmão, minha família toda já está envolvida nesse lado compaixão, ajudar o próximo, pegar aquilo que a gente tem recebido.
Temos esse projeto, numa das maiores favelas de Belo Horizonte, onde cuidamos de crianças, com auxilio escolar, saúde, esporte, alimentação enfim todas essas coisas, e o evangelho óbvio não precisa nem falar. Temos também um programa na Rede Super, também chamado Compaixão, onde vamos na casa de pessoas carentes, no qual os cúmplices entram em contato com a gente e indicam famílias pra visitarmos. Aí a gente invade a casa dessa pessoa, invade entre aspas viu galera “ENTRE ASPAS!” (risos) a gente invade, eu entrevisto, pergunto sobre a vida, a história, as necessidades que ela tem passado e em função de padrinhos, de recursos nossos a gente abençoa as famílias com finanças, com móveis, quando possível, com alimentação, cesta básica, brinquedos, roupas. Aquilo que as pessoas vão doando, a gente vai repassando e tem sido maravilhoso. O sorriso delas, a gratidão no final de um programa, de uma gravação dessas é impar. Não tem nada que pague.

Kboing - Esse projeto é só em Belo Horizonte?
David Quinlan -
Hoje é só em Belo Horizonte, mas nossos sonhos vão bem além. Atualmente está lá porque a nossa base é ali, mas estamos montando uma estrutura, as pessoas estão começando a conhecer o projeto, esse lado de compaixão mesmo, que queima no nosso coração de poder ajudar as pessoas. Os recursos vêm da venda do nosso material, temos alguns padrinhos que nos abençoam com recursos financeiros. Em BH são três, mas estamos orando pra Deus enviar mais e à medida que isso for acontecendo vamos abrindo o leque pra poder alcançar famílias em outros lugares.

Kboing - Quais os planos pra este final de 2010, início de 2011?
David Quinlan -
Estar no centro da vontade de Deus, acho que é sempre muito importante a gente entender isso. Temos o lançamento do nosso DVD, que infelizmente não ficou pronto, ainda! Modéstia parte está muito legal, (risos) os recursos utilizados foram muito bons, os comentários, estão sendo muito bons, estamos felizes, com o lançamento dele daqui um mês e meio estourando. Lançamento do CD espanhol também. Eu tenho uma afinidade muito grande com o Marcos Uiti, ele cantou no CD comigo e está indo pra Argentina com a gente. Temos uma afinidade muito grande com os nossos hermanos e por isso estamos lançando esse CD. Creio eu, estar gravando em uma das nossas conferências que vai acontecer no final do ano. Teremos uma em Curitiba (PR) e uma em São Paulo (SP), mas eu creio que este ano vamos gravar em Curitiba. Então estamos ai finalizando o ano, e no finalzinho do ano, férias! Passar um tempo com a família (risos).

Kboing - Você tem realizado turnês fora do Brasil. Planeja gravar um DVD em outro país?
David Quinlan -
Ahh sim! Eu ainda estou no meu portunhol, eu chego lá né... Na Argentina consigo ministrar louvor e adoração em espanhol, pregar já é um pouco mais difícil, mas estou tentando aprender a língua. Mas há um desejo muito grande da gente fazer um DVD, alguma coisa assim fora, pra abençoar não somente o pessoal de fora, mas o pessoal do Brasil que às vezes não consegue ir pra lá. A Argentina é um lugar maravilhoso de se ministrar, eu amo ministrar naquela terra. Todo ano a gente vai no mínimo uma vez, porque as pessoas têm fome, tem sede, é lindo de ver aquilo que Deus está fazendo naquela nação. Então eu creio que DVD, vai acontecer também, só sair do portunhol pro espanhol e aí a gente chega lá...(risos)

Kboing - Tem algum trabalho de evangelização pela internet, Orkut, Twitter?
David Quinlan -
Temos o Twitter e o site. O site inclusive tem uma página que quando a pessoa se converte tem o link “Me converti, e agora?”. Então eu passo uns passos pra ela. Jamais deixo de aproveitar a oportunidade de falar de Jesus. Twitter e site é o que eu mais uso...Orkut, MSN, é muita coisa pra minha cabeça (risos).

Kboing - Pra gente encerrar deixe o endereço do seu site, Twitter e um recado para o pessoal que admira o seu trabalho...
David Quinlan -
Meu site é www.davidquinlan.com.br e o meu Twitter é: http://twitter.com/davidmquinlan. E pra você que está ai ligadão no Kboing, que Deus possa realmente estar abençoando vocês cada vez mais. Sejam radicais pra Deus. Deus está fazendo coisas incríveis na nação brasileira. Repito as nações estão com os olhos voltados para aquilo que Deus está fazendo aqui, então seja radical, mantenha-se separado, viva intensamente, seja santo, porque Deus está fazendo história nesse país e através desse país por causa de você!