Martinho da Vila

Que Preta, Que Nega - Samba

Martinho da Vila

Preta, que preta, que preta
Que preta, que nega
Preta, que preta, que preta
Que preta, que nega

Nega, que nega, que nega
Pretinha, que preta
Nega, que nega, que nega
Pretinha, que preta

Quando a pretinha chega para galderiar
Os meus olhos paqueras se abrem
Coração menino se apura
E os lábios se molham pro beijo que vem

Nosso amor passarinha qual pluma no ar
E os seres maldosos não sabem
Que mesmo transando a ternura é tão pura
Que os anjos nos dizem amém, minha preta

Preta, que preta, que preta
Que preta, que nega
Preta, que preta, que preta
Que preta, que nega

Nega, que nega, que nega
Pretinha, que preta
Nega, que nega, que nega
Pretinha, que preta

Mas eu sei menina
Que um dia irás
Curvar-se ao destino
Que o senso impuser
Então eu serei
Simplesmente amigo
E tu serás só, saudade mulher

Mais sempre que eu estiver numa onda de sonhos
Com lua espiando ou sol por um juíz
Vou olhar lá pro céu
E pedir para os astros
Guiarem teus passos
Para seres feliz

Minha preta,
Preta, que preta, que preta
Que preta, que nega
Preta, que preta, que preta
Que preta, que nega

Nega, que nega, que nega
Pretinha, que preta
Nega, que nega, que nega
Pretinha, que preta

Quando a pretinha chega para galderiar
Os meus olhos paqueras se abrem
Coração menino se apura
E os lábios se molham pro beijo que vem

Nosso amor passarinha qual pluma no ar
E os seres maldosos não sabem
Que mesmo transando a ternura é tão pura
Que os anjos nos dizem amém, minha preta

Preta, que preta, que preta
Que preta, que nega
Preta, que preta, que preta
Que preta, que nega

Nega, que nega, que nega
Pretinha, que preta
Nega, que nega, que nega
Pretinha, que preta...


publicidade