foto

El Desdichado II

Lobão

Eu sou o Tenebroso, o Irmão sem irmão,
O Abandono, Inconsolado,
O Sol negro da melancolia

Eu sou Ninguém, a Calma sem alma
Que assola, atordoa e vem
No desmaio do final de cada dia

Eu sou a Explosão, o Exu, o Anjo, o Rei
O samba-sem-canção, o Soberano
De toda a alegria que existia

Eu sou a Contramão da contradição
Que se entrega a qualquer deus-novo-embrião
Pra traficar o meu futuro por um inferno mais tranquilo

Eu sou nada e é isso que me convém
Eu sou o sub-do-mundo e o que será
Que me detém?

Eu sou Nada e é isso que me convém
Eu sou o sub-do-mundo e o que será...

Eu sou o Poderoso, o Bababã,
O Bão! Eu sou o sangue, não!
Eu sou a Fome do homem
Que come na brecha da mão de quem vacila

Eu sou a camuflagem que engana o chão
A Malandragem que resvala de mão em mão
Eu sou a bala que voa pra sempre,
Sem rumo, perdida

Eu sou a Explosão, o Exu, o Anjo, o Rei
Eu sou o Morro, o Soberano da Alegoria
Que foi a minha vida

Eu sou a execução, a perfuração
O terror da próxima edição dos jornais
Que me gritam, me devassam e me silenciam

Eu sou nada e é isso que me convém
Eu sou o sub-do-mundo e o que será, o que será
Que me detém?...
publicidade