foto

A Véspera

Lobão

Como tudo que dói
A tarde vai queimando o lixo e a beleza no seu véu
De fumaça e cinza
Espalhando o calor e o silêncio no abandono do dia
O ar quente treme no espelho do asfalto
Refletindo pedras e restos de cães atropelados
O céu de urubus em espiral
Estampa‚ desliza e prolonga a sensação do vazio

Aí eu me pergunto: hoje é véspera de que?
Aí eu me pergunto: hoje é véspera de que?
Talvez hoje seja‚ simplesmente‚ véspera de nada

Pensamentos viram fumaça na tarde
Condensando o alento de uma esperança feita de nuvens
Sonhos com uma trégua de orvalhos noturnos
Desaparecem no bafo quente do agouro de mais e mais e mais desertos

E a alma se entrega chorando
Numa última oração à primeira estrela que resta
Como se pudesse reinventar horizontes
Para manhãs abandonadas

Aí eu me pergunto: hoje é véspera de que?
Aí eu me pergunto: hoje é véspera de que?
Talvez hoje seja‚ simplesmente‚ véspera de nada
publicidade