Joaquim e Manuel

Avenida Boiadeira

Joaquim e Manuel

Como em quase todas as cidades
Há uma avenida onde passa o gado
Em minha terra também existia
Uma avenida sobre o meu passado
E foram tantas tardes de sol claro
Tantas e tantas nuvens de poeira
Que esta avenida hoje traz meu nome
Depois de ser estrada boiadeira

Velha avenida
Onde deixei meu rastro de infância
Que virou saudade
E hoje existe em cada esquina
Meu nome escrito para a eternidade

Foi a boiada longa do meu tempo
A passo lento em silêncio andando
Meu coração velho boiadeiro
Sabe que chega, mas não sabe quando
Talvez quando as paineiras tenham
Aberto as suas flores perfumadas
Sua sombra serviu pra descansar boiadas

Velha avenida
Onde deixei meu rastro de infância
Que virou saudade
E hoje existe em cada esquina
Meu nome escrito para a eternidade

Se a dor se escreve em lápide de pedra
Hoje encontrei em placas reluzentes
Meu nome escrito a brilhar porque
Esta homenagem recebi contente
Foram quarenta anos de trabalho
Que felizmente estão reconhecidos
Quando os meu versos para o céu voarem
Em minha terra alguém os tenha lido

Velha avenida
Onde deixei meu rastro de infância
Que virou saudade
E hoje existe em cada esquina
Meu nome escrito para a eternidade
publicidade