foto

Crime Perfeito

João Neto e Frederico

Não adiantou trancar a minha porta
Entrou pela janela
E me fez prisioneiro das vontades dela
Fiquei de mãos atadas, não pude impedir

Depois
Saiu levando o que tinha mais valor
E nessa correria esqueceu do amor, da saudade

Me pegou desprevenido, eu nunca suspeitaria
Meu mundo desabando inteiro em menos de um dia
Teu cheiro pelo ar, teus atos pelo chão
E eu fui outra vítima da sua ingratidão

Eu fui o seu refém desse crime perfeito
Levou o que era meu, você não tem direito
De me amar e fugir agora

Eu vou reconstruir tudo feito um bobo
Mesmo sabendo que vai me roubar de novo
Só assim eu te vejo outra vez
publicidade