Ao despedir-se de minha doce namorada
Um beijinho selou nossa despedida
Fui ocupar a poltrona trinta e cinco
De um monobloco que já estava de saída.

Quis o destino por maldade ou ironia
Que a poltrona trinta e seis fosse ocupada
Por um alguém que eu deixei um certo dia
Qual a razão eu não me lembro quase nada!

No toca fita tem a nossa melodia
E da poltrona trinta e seis ela sorria!

E nos seus olhos cor do céu, aquele mesmo amor
E nos teus lábios um convite para um beijo meu
Tomei seu rosto com carinho entre as minhas mãos
E prometi que desta vez não vou adeus!

Ao sabor da velocidade ela me abraçou
Se uniram nossos lábios e o tempo parou,
O monobloco meu carinho transbordava
E o longo asfalto em céu azul se transformava!

No toca fita tem a nossa melodia
E da poltrona trinta seis ela sorria!

Os sonhos que me iludiram se desmoronou,
Quando o cordão da campainha sua mão puxou
E seu olhar banhado em pranto a me pedir perdão
Quando ceifava o nosso adeus, lhe estendi a mão!

O monobloco então parou, meu coração também
Ela ao descer, foi recebida por um outro alguém,
Juntinho dela todo o meu amor ficava
Todos me olhavam, pouco importa, eu chorava!

No toca fita tem a nossa melodia
E a poltrona trinta seis está vazia!
publicidade