Joanna

Tempo de Pedra

Joanna

Ao revés do tempo
Não há lenço
Não há gesto no que eu penso
Existe um branco no meu coração
Não sei se a vida traça os meus atalhos
Ou se alonga o sofrimento
Na mudez dos olhos, esse brilho
Lua imersa nesse rio
Mais violento que uma paixão
Se ao invés dessa ausência
Me sobrasse a fé no amor
Eu jamais seria essa pedra que eu sou

Na nudez dos barcos há regresso
Há certeza no que eu peço
E um louco exílio no meu coração

Se houvesse a calmaria
Ou se rompesse em pranto o mar
Eu ainda seria esse porto
Pra te aguardar
publicidade