foto

Um Ciclo Foda

Hungria

Um ciclo foda, joga as strol pra dentro
Daqui uns 20 dias cê vai ver tudo crescendo
Camisa rasgando, agora as minas olha
Um tempinho atrás as vagaba nem dava bola

Vergonha? Que nada, papo de crítico
Vergonha pra mim é ser magro, raquítico
Os novinho tudo crescendo, fora do normal
Me diz qual a receita? Se é todinho ou é nescau

É muita vitamina [?], eu vou falar qual é
Pede pro doutor a vitamina ade
Geral no movimento, apenas eu sou mais um
O braço gigante intimida qualquer um

Barra, supino, paralela, abdução
Na praia sem camisa já é moda no verão
Carro socado, braço de fora (haha)
As mina xona, os manos chora

Você fala que não, mas cê sabe que é ibope
Braço gigante, prata aro 19
Ver meu braço crescer é minha alegria
Minha segunda casa é a minha academia

Combinação perfeita, regata, strol
Meu cordão de prata brilha de acordo com o sol
De segunda a segunda é tempo de malhar
Juntei meu dinheiro pra comprar mesgih

Dianabol, deca, durateston
42 de braço no carro batendo o som
O corpo se impõe a regata vai destacar
Querem saber meu nome, pedem o meu celular

Pimabolan, agloverim, durabolim
Quando eu chego lá na rua as piriga sorri pra mim
Observo a falsidade depois da testosterona
Na rua é mó sucesso, na praça é mó fama

Rivomec, deposteron, equipox
O peso do braço rebaixa a mola do meu shox
O que o cara não faz, a vaidade mata
Mas enquanto não mata o meu corpo se destaca

Teduteron, celimarina, cilomel
Vê se nesse natal pede uma deca pro noel
Podenona, clomid, rocifer
Ultimamente na minha rede tá chovendo de mulher

Somatropina, 5 ou 6 é pra rachar
Quanto cê mais toma muito mais cê quer tomar
O braço tá dormente, agora vê se aguenta
O braço vai crescendo, a agressividade aumenta

O organismo rejeita, mas o moleque aceita
Aliança fiel, outras palavras, uma seita
As gostosa fica louca, vagabunda já bicou
Ultimamente eu dou aula pro instrutor

O mundo é assim, aparência é tudo
Braço grande, um pisante, colar de vagabundo
Você pensa que é só malhar, pouco adianta
O que cresce, o que cresce, natural é planta

É tudo muito rápido, é tudo muito cedo
Vagabunda cai matando, os muleque quer o segredo
O que eu ganhei com isso? Cê fica me perguntando
Uma galega, uma morena, as ruiva já tão me amando

Depois do resultado, namorar é difícil
Meu trabalho é beijar, ir pra cama é oficio
Meu carro tá no chão, meu braço lá em cima
Observo as cachorra rindo pra mim na esquina

42 de braço é perfeição
As mina tão na atividade vão comer na minha mão
Não dou desconto, sustento ou sustentação
Quer tomar coisa barata? Injeta caldo de feijão

Peito definido, as mão cheia de calo
A parada não é pra poney, é claro é pra cavalo
Vinho na taça, óleo no braço
Cada corpo é um corpo, cada caso é um caso

As minas malha bum bum, eu olho dou o zoom
Se der mole é chegar, não tem problema algum
Aro 19, peito rasgado em frente a boate, os muleque alucinado

Regata estourando, as carreta pra esculachar
Boné de lado, ajuda a dixavar
Mó sucesso na noite, imagina lá no posto
230 gramas eu carrego no pescoço

Tem os muleque que me tira, é nóis tô de saída
Fica puto com o hungria que ele rouba sua amiga
Quem não quer se destacar em meio a multidão?
Com prata, ouro, diamante, jaquetão
publicidade
publicidade