Entrevista: Angra

, 16h02, por Da redação, por Tatiana Pires

Formada por Edu Falaschi nos vocais, Kiko Loureiro na guitarra, Rafael Bittencourt na guitarra, Felipe Andreoli no baixo, e Ricardo Confessori na bateria, a banda de metal progressivo brasileira Angra está preparando o sétimo álbum de inéditas, “Aqua”, que está previsto para ser lançado no dia 30 de julho primeiramente no Japão e deve chegar às lojas brasileiras logo em seguida.

Ouvir Angra no Kboing 
Confira letras de Angra 
Fotos do workshop com Kiko Loureiro

Depois de muito mistério, o Angra  anunciou nesta segunda-feira, dia 5, o título oficial do seu sétimo álbum: “Aqua”. Este será o primeiro trabalho em quatro anos e celebra o retorno do baterista Ricardo Confessori ao line up do grupo. A banda divulgou outros detalhes como o repertório e a capa do próximo trabalho. Confira aqui.

Kiko Loureiro, guitarrista do grupo concedeu entrevista exclusiva ao Kboing e além de contar detalhes sobre o novo trabalho do Angra, ele fala também sobre sua carreira solo. Kiko Loureiro é o frotman do trio Euro Code, que já lançou três discos: “No Gravity” (2005), “Universo Inverso” (2006) e “Fullblast”, (2009).

Kboing – O Angra está finalizando um disco que deve ser lançado em agosto. Você pode nos adiantar alguns detalhes desse novo trabalho?
Kiko Loureiro –
O disco está sendo gravado em São Paulo (SP), no Norcal Studios. A produção é da banda junto com o Adriano Daga e o americano Brendan Duffey. O lançamento será no dia 31 de agosto no Japão, a primeira data já está definida e no Brasil o álbum sairá de forma independente no dia 17 de agosto. A arte da capa é de Gustavo Sazes, que fez a arte do meu disco solo e já fez alguns trabalhos para o Angra também.

Kboing – Os fãs poderão assistir os shows da nova turnê a partir de quando?
Kiko Loureiro –
A nova turnê começará no dia 15 de agosto.

Kboing – No ano passado, você lançou seu terceiro disco solo. Que mudanças você fez no processo de elaboração de “Fullblast”, (2009), em relação aos outros?
Kiko Loureiro –
Ah, sempre tem mudanças, porque você como músico vai mudando ao longo do tempo...mas eu resgatei um pouco mais o que aconteceu no primeiro CD, que era mais baseado no lance de rock, um pouco do que fazemos no Angra...com influências da música brasileira bem forte, tem bastante percussão...o batera é o mesmo do primeiro disco também...o Da Lua percussionista e o Felipe Andreoli (do Angra) gravou o baixo, então acaba sendo a linha do “No Gravity” (2005) ....mas claro teve algumas mudanças, eu fiz um pouco mais de teclados...o segundo álbum solo, “Universo Inverso” (2006), é bem variado, peguei vários músicos brasileiros e fiz uma coisa mais de música brasileira, tanto que o título é em português.

Kboing – Como é o processo de composição pra você?
Kiko Loureiro –
É um trabalho natural. Cria-se mais ou menos um hábito. Em uma época você procura sempre tocar alguma coisa nova...você pode ficar tocando músicas dos outros ou fazendo um exercício ou tocar alguma coisa que você deixa fluir...às vezes são ideias ruins, às vezes é legal, mas você fica buscando e começa aparecer ideias que você goste, não quer dizer que sejam boas, mas que você goste...aí você grava, escreve a partitura, registra, depois vai organizando isso até chegar ao ponto de formatação de um disco

Kboing – Quais as vantagens e desvantagens de levar uma carreira solo?
Kiko Loureiro –
Desvantagens é que você fica muito sozinho e não tem a opinião de ninguém. Pra mim, que estou acostumado a tocar em banda....tem sempre a opinião dos outros das coisas que eu faço antes de mostrar para o público e quando você ta sozinho, você faz tudo sozinho, grava e lança e aí depois que você vai ouvir a opinião das pessoas. Com a banda já passa pelo crivo de vários então quando a música sai, você já tem várias pessoas acreditando naquela proposta e isso facilita, é o lado bom de uma banda.
A mesma coisa também, por outro lado, quando você faz uma música em carreira solo você não tem o palpite dos outros, então pode ser bom e pode ser ruim...o palpite pode ser benéfico, às vezes pode ser uma coisa que gere discussão, que você não esteja de acordo com aquilo...O bom é poder trabalhar das duas formas. Agora escolher só um, acaba faltando o outro lado.

Kboing – Como você avalia sua trajetória musical?
Kiko Loureiro –
Eu sou bem realizado, porque se pegar lá desde o começo eu nem imaginava que iria estar vivendo da música, então já é uma vitória viver da música, trabalhar profissionalmente, ser requisitado para tocar em vários lugares, participar de uma banda que viaja o mundo inteiro fazendo vários shows e mesmo em carreira solo faço muitos shows, voltei da Europa há pouco tempo...faço workshops por todo o país, são marcas de equipamentos que pedem para eu  ajudar eles a divulgar os produtos e tudo mais. Então minha trajetória pra mim é bem satisfatória, bem sucedida nos meus parâmetros. E é legal porque eu toco há bastante tempo então tem muita gente que começou a tocar guitarra quando eu gravei vídeo aula, hoje já são profissionais, já tocam super bem e vêm agradecer porque aprenderam coisas nas vídeo aula...isso é bem legal mesmo, bem satisfatório!

Kboing – Como você concilia as atividades de guitarristas nas duas bandas Angra e Neural Code e seu trabalho solo?
Kiko Loureiro –
O Angra é a prioridade principal e eu vou conciliando as outras atividades. O Neural Code, a gente vai quando tem data, quando está mais tranquilo dá para fazer workshop.

Kboing – Quase todos os integrantes do Angra realizam workshops, que podem ser considerados um trabalho paralelo. Qual a importância desses workshops para vocês como músicos e como isso influencia a banda como um todo?
Kiko Loureiro –
É todo mundo é requisitado...os workshops são diferentes, no show a gente toca e depois vai embora, tem aquele público maior e você praticamente não tem contato com o público, é um contato diferente. Em workshops você conversa, tem uma proximidade maior. Antigamente as gravadoras faziam muitos showcase em lojas de CD, tinha essa coisa de sessão de autografo e o workshop acaba sendo uma variação disso.

Kboing – Por favor, deixe uma mensagem para os fãs da banda.
Kiko Loureiro –
Ai galera aqui é o Kiko Loureiro, estamos aí no Kboing, quero deixar um recado que o novo CD do Angra está chegando, então fiquem ligadas aí!