Elis Regina

Ponta de Areia - Fé Cega, Faca Amolada - Maria Maria (ao vivo)

Elis Regina

Ponta de areia, ponto final
da Bahia-Minas, estrada natural
Que ligava Minas ao porto, ao mar,
Caminho de ferro mandaram arrancar
Velho maquinista com seu boné
Lembra o povo alegre que vinha cortejar

Agora não pergunto mais aonde vai a estrada
Agora não espero mais aquela madrugada
Vai ser, vai ser, vai ter de ser, vai ser faca amolada
O brilho cego de paixão e fé, faca amolada

Deixar o seu amor crescer e ser muito tranqüilo
Deixar o seu amor brilhar e ser muito tranqüilo
Brilhar, brilhar, acontecer, brilhar, faca amolada

Irmão, irmão, irmã de fé, irmão, faca amolada

(Lelêêê Lerê Lelêêê...)

Uma mulher que merece viver e amar
Como outra qualquer do planeta

(Lelêêê Lerê Lelêêê...)

Uma mulher que merece viver e amar
Como outra qualquer do planeta

Maria, Maria
É o som, é a cor, é o suor
É uma dose mais forte e lenta
Uma mulher que merece viver e amar
Como outra qualquer do planeta

Maria, Maria
É o som, é a cor, é o suor
É uma dose mais forte e lenta
De uma gente que ri quando deve chorar
E não vive, apenas agüenta

(Lelêêê Lerê Lelêêê...)

Uma gente que ri quando deve chorar
E não vive, apenas agüenta

(Lelêêê Lerê Lelêêê...)

Uma gente que ri quando deve chorar
E não vive, apenas agüenta

(Laralalá laralalá... Lelêêê Lelê Lelêêê...)

Mas é preciso ter força
É preciso ter raça
É preciso ter gana sempre
Quem traz no corpo a marca
Maria, Maria
Mistura a dor e a alegria

Mas é preciso ter manha
É preciso ter graça
É preciso ter sonho sempre
Quem traz na pele essa marca
Possui a estranha mania
De ter fé na vida

(Lelêêê Alelê Lelêêê...)
publicidade