Edvaldo Santana

Há Muitas Luas

Edvaldo Santana

Há muitas luas que a viagem é solitária
A Rua Três não fica mais perto de mim
Eu sinto falta da amizade que perdi na mocidade
De quem partiu sem poder se despedir

Oh manahê ibirumama marélu
Oh manahê ibirumama marélu

O velho trem não vai mais até Bauru
Já não me leva para ver o meu amor
Rua deserta encheu de carro eu quero mel pro meu cigarro
Depois do trampo eu vou voltar pro interior

Oh manahê ibirumama marélu
Oh manahê ibirumama marélu

Não levo jeito para ser um pop star
Bem que tentei mas foi difícil me enquadrar
Não vou falar de coisa minha pra essa revista tão mesquinha
Não me interessa se é do Rei ou se é do Xá

Oh manahê ibirumama marélu
Oh manahê ibirumama marélu

Tenho ciência que a idéia é preciosa
Que é preciso distrair pra ela surgir
A praça abala Mario fica arte é dom de quem se arrisca
Além da gente a indulgência de Waldir
No making off Baixo brinda arte é pra toda vida
Chulapa Chiréia Ricardo Bombarda respeitam Luiz

Oh manahê ibirumama marélu
Oh manahê ibirumama marélu

Jacson Johnson são os olhos da estrada
Mano Brow Patativa do Assaré
Se o rock and roll já foi blues na encruzilhada
Samba de roda também foi do Candomblé
publicidade