foto

Pretas Brancas e Morenas / É Lenha / Amor Verde e Rosa

Diogo Nogueira

Pretas, brancas e morenas
Tenham pena de mim
Tenham pena de mim
Pretas, brancas e morenas

A preta Olívia me mandou embora
Do apê lá da praça Saens Pena
Vendeu toda a minha mobília
Recorri para a corte suprema

Prometi um apê em mangueira
Mas ela só pensa em Ipanema
Tenham pena de mim
Pretas, brancas e morenas

Pretas, brancas e morenas
Tenham pena de mim,
Tenham pena de mim
Pretas, brancas e morenas

A branca Bianca quase quebra a banca
De tudo me arranca e vai pro botequim
Me esfola, me espanca
Me bota na tranca
Cuida das crianças
Me toma um din din
Lorena morena sempre rouba a cena
Tão bela e serena
Mas quer ver meu fim
Tenham pena de mim
Pretas, brancas e morenas...


É madeira, é pau, madeira é lenha
É pau, madeira é lenha
É madeira, é pau, madeira é lenha...
Madeira é lenha

É ferro, é brasa, é aço se o laço desata
É pedra, é osso se o amor acabar
É dança pra vida lançar,
É trança se a lança acertar
Balaio de amor é criança pra gente embalar

Espeto de pau em casa de ferreiro
Vara fina não aguenta tubarão
Vara de marmelo não é caramelo,
Canela é tempero
Madeira queimando é braseiro, carvão!
(é madeira é pau)

É madeira, é pau, madeira é lenha
É pau, madeira é lenha
É madeira, é pau, madeira é lenha...
Madeira é lenha


(Mangueira teu cenário é uma beleza)

No samba de mangueira
Encontrei meu amor, tava lá
Foi na verde e rosa
Que achei a cabrocha dona do meu lar

Cantei, versei, saracutiei
Fiz tudo que pude pra lhe impressionar
Caí na gandaia
Seu rabo de saia me fez balançar (oba)

Ela mangueirense e eu portelense
Daquela escola não vou esquecer
Pretinha formosa,
Linda, orgulhosa parei em você

Guardei o caminho da felicidade
Pra quando a saudade viesse buscar
Juntei uma grana fui lá na cidade
Comprei o mais lindo buquê pra lhe dar
O tempo passou eu fiquei mais seguro
Invadi o morro com disposição
Debaixo do braço a arma no embrulho
Perto do gatilho do meu coração

Pente carregado de amor guardado
Esse amor bandido não vai me escapar
Cheguei feito um cana enquadrando
A nega no artigo vem cá

No samba de mangueira
Encontrei meu amor, tava lá
Foi na verde e rosa
Que achei a cabrocha dona do meu lar

(cheguei feito um cana enquadrando
A nega no artigo vem cá)

Comprei minha beca, sapato invocado
Só falta aliança no dedo pra gente casar
publicidade
publicidade