Isso é uma Guerra civil camuflada pela novela
Ditadura econômica democracia tá na cela
São exilado urbanos as margens da sociedade
Lutam pra não passar fome, armados de malabares
Guerreiros do novo século vivendo no subsolo
Trabalhando o vicio com visto a endola é o seu escritório
No asfalto saem por baixo, no alto são respeitados
No ato civil é mais nada mas como nada faz de errado

Com distância da infância infantaria suas crianças
Não me espanta tanta trama, corra chama ambulância
Muleque chora no colo da santa mãe, não adianta
Perdeu pros cana pois não tinha dinheiro nem fama
E tranca no cofre sua gana, no coração só lembranças
Dispensa a peça pra trégua com guerra nunca vai ter samba
Não se cansa da andança, e ataca só por vingança
Vencendo em ultima instância, direito de ter esperança

Eu sempre tenho que andar com o pé atrás
As verdades que eles veem ninguém crê mais
Como eu faço pra entender sem me corromper?
Eles querem me deter me jogar em Alcatraz [2x]

A toa na boa na louca Lombra, quizomba
Dispositivo de arromba, Com água de coco na sombra
E depois que cai não levanta, Festeja sempre ele explana
Domina Copacabana Mantém pose de bacana
Se a caridade reclama Não doa nem uma banana
Leva amargura pra cama, e Só faz amor com piranha
Com sentimento ele estranha Que e elas travam o que ele ganha
Vai hoje ostentando sua grana Um dia tu volta pra lama

E quanto mais eu vejo mais vontade eu tenho de ser cego
papo reto é de credo em credo visualizo o inferno
Não quero ser indiscreto demonstrando o meu critério
Deflagrando o auto clero, liberdade é o que eu espero
Quero ser levado a sério, hipocrisia eu não venero
Vendendo vaga no céu eu me estresso, protesto, me altero
Já corro pra caneta em companhia do caderno
Fazendo a rebelião surround system auto stereo

Eu sempre tenho que andar com o pé atrás
As verdades que eles veem ninguém crê mais
Como eu faço pra entender sem me corromper?
Eles querem me deter me jogar em Alcatraz [2x]

Eu faço é rap original, pra minha alma e não pra tu
Não canto música, que nego escuta rebolando o cú!
Até minha própria família me aponta, me descrimina
Dá vontade de chorar, mas um homem choraria
Sociedade é quem diria, um absurdo tão infantil

Vai pra puta que pariu, no carro do Damon Hill!
Ninguém riu, quando viu, que o movimento é sério
Do tédio eu fujo, o barrel do prédio, cimento e ferro
O prego do prego, inquieto, segurando o teto
Babilônia dominando o mundo e eu com o dialeto expresso,
tudo que sinto, no Rio, frio, fome, tiro
Ninguém trava o meu improviso, mas têm trava o teu gatilho!

De Alcatraz, ninguém sai, quando cai, vida vá!
Oh pai, olhai por eu seu filho sagaz!
Ninguém mais conseguiu, porque parou pra olhar pra trás
Logo mais Cone Crew, Hip-hop nos jornais, paz!
publicidade